Mais uma jogada de peso da gigante do streaming, que promete abalar ainda mais a indústria.

Morgan Glier

Palco de estreia do astro Douglas Fairbanks como Robin Hood e atual sala de exibições da Cinemateca dos Estados Unidos, o Grauman’s Egyptian Theatre — histórico cinema de Los Angeles construído em suntuoso estilo egípcio na época da descoberta do sarcófago de Tutancâmon, na década de 1920 — pode entrar em uma nova (e inesperada) fase. Segundo informações do Deadline, a Netflix está em negociações para adquirir o Egyptian Theatre, marcando a primeira grande movimentação da gigante do streaming no âmbito da distribuição cinematográfica tradicional.

Fontes internas, no entanto, garantem que este seria apenas um passo preliminar: se concretizar a compra, a intenção da Netflix seria promover algumas estreias e eventos especiais relacionados aos seus conteúdos originais no prestigiado cinema. Ao mesmo tempo, em uma espécie de parceria, a líder do streaming permitirá que a Cinemateca dos Estados Unidos dê prosseguimento aos seus programas de exibição de filmes no Egyptian Theatre, como mostras e palestras, por exemplo. Em outras palavras e a grosso modo, o cinema ficaria com a Cinemateca de dia, enquanto a Netflix ocuparia a sala às noites.

Mas mesmo que a gigante do streaming não tenha nenhuma pretensão direta em investir no circuito exibidor tradicinal no momento presente, é importante ficar de olho e acompanhar de perto as decisões tomadas por Ted Sarandos e cia. Não é segredo para ninguém dentro da indústria que a Netflix deseja tornar-se tão poderosa quanto os grandes estúdios de Hollywood, particularmente no que se refere à temporada de premiações, cujas instituições, como o Oscar, vêm debatendo impor restrições às produções Netflix por causa da estratégia de distribuição da companhia, que evidentemente privilegia seu streaming.

Roma, vencedor de três Oscar (Melhor Direção, Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Fotografia), por exemplo, beneficiou-se claramente de um pesado esquema de exibição nas salas de cinema, patrocinada por uma Netflix ávida por adicionar um troféu de Melhor Filme da Academia às suas estantes — isto, no entanto, não aconteceu, uma vez que as alas mais conservadoras do Oscar ajudaram a impulsionar a vitória de Green Book – O Guia sobre o drama de Alfonso Cuarón, como uma suposta forma de frear os avanços da Netflix. Seria, portanto, o Egyptian Theatre a primeira etapa de uma nova fase da Netflix?

FONTE: ADOROCINEMA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.